Em Santaluz mulheres pedem divisão justa do trabalho doméstico

Em Santaluz mulheres pedem divisão justa do trabalho doméstico

02/09/2017

#PorumSertaoJusto

Direitos são para mulheres e homens. Responsabilidade também. Esta é a proposta da Campanha “Pela Divisão Justa do Trabalho Doméstico” lançada em oficina regional promovida pelo MOC sobre relações sociais de gênero e feminismo, que aconteceu em Santaluz neste 1º de setembro durante a passagem da Caravana MOC 50 Anos naquele município.

Iniciada no dia anterior, 31 de agosto, a oficina mediada por Selma Glória e Ádila da Mata, do Programa de Gênero do MOC, além do lançamento da Campanha trouxe a reflexão sobre as relações de gênero e os papéis atribuídos a homens e mulheres, bem como essas relações afetam o cotidiano das mulheres no meio rural.

“Olé Mariê, Olé Mariá, mulher saia da cozinha e venha ocupar seu lugar” letra de uma das músicas cantadas em coro por mulheres de empreendimentos econômicos solidários, lideranças de Movimentos de Mulheres Trabalhadoras Rurais e jovens lideranças presentes.

Cantorias, debates, palavras de ordem e confecção de cartazes foi a maneira de expressar o sentimento do grupo em relação à proposta da Campanha lançada pela Rede Feminismo e Agroecologia do Nordeste, e apoiada por diversas instituições, dentre elas o MOC.

As mulheres que trabalham fora do seu ambiente familiar na maioria das vezes são consideradas as únicas responsáveis pelos trabalhos domésticos. Fato que atribui as duplas e triplas jornadas de trabalho. “A invisibilidade do trabalho doméstico é uma realidade que compromete a vida das mulheres como todo, desde sua infância e adolescência”, ressalta Selma Glória que apresentou na oportunidade, o vídeo da Campanha.

Por:
Maria José Esteves
Programa de Comunicação