Comunidade de Lajinha em Retirolândia recebeu equipamentos para instalação de Rádio Poste

Comunidade de Lajinha em Retirolândia recebeu equipamentos para instalação de Rádio Poste

31/01/2018

#MOC_PorumSertaoJusto

A comunidade de Lajinha, no município de Retirolândia, se reuniu vibrante de alegria e entusiasmo para receber a chegada dos equipamentos para instalação de uma Rádio Poste contemplada pela comunidade através do projeto “Crianças e Adolescentes: Re’Tocando Vida, Direitos e Sonhos no Semiárido”, desenvolvido pelo Movimento de Organização Comunitária (MOC), que se insere na busca para contribuir com a garantias de direitos humanos de crianças e adolescentes das comunidades rurais, que na sua maioria são negados, contando com parceria da instituição alemã Kinder Not Hilfe – (KNH), que apoia e defende essa luta junto ao MOC.

A rádio representa um instrumento importante de empoderamento da comunidade, no sentido de acessar à comunicação como direito, assim como de reivindicar sobre esses direitos à serem garantidos para crianças e adolescentes, para mulheres, para agricultura familiar e demais áreas de anseio da comunidade, contribuindo para uma consciência cidadã da comunidade e no desenvolvimento sustentável local. O projeto visa à realização de momentos de formação, por meio de oficinas práticas, teóricas e técnicas para instruir e incentivar o uso desse processo de comunicação como protagonismo de sujeitos, além de proporcionar trocas de saberes com intercâmbios, que somam em muitos aprendizados para crianças e adolescentes, repercutindo para suas famílias.

Segundo a diretora da Escola Maria Madalena de Lajinha, Josivam Mota é uma felicidade muito grande a chegada desse projeto e mais ainda com algo que vai ficar permanente, tanto a rádio como todos os conhecimentos adquiridos no caminhar. “A gente percebe em cada olhar aqui, que realmente a comunidade quer esse projeto, quer essa rádio”, comentou Josivam.

A jovem multiplicadora, que já vem contribuindo no processo de execução do projeto, relatou um pouco sobre a importância desse instrumento de comunicação, para o crescimento das crianças no seu contexto de conviver com sua realidade. “O bom é assim, que a comunidade recebe a rádio que um espaço aberto para todos fazerem seu programa, as crianças, a escola, as associações também podem ter, os representes de igrejas pode ter um programa. Eu fico muito feliz como jovem do projeto e acredito que todas as crianças ficaram felizes também, pois é mais um meio de crescer sem negar as nossas origens”, expressou Silvania Santos.

“É uma alegria receber a rádio aqui e também saber o que os jovens vão escutar coisas boas, palavras boas, transmitindo algo bom que os jovens, os adultos, os idosos estarão ouvindo. A gente ver que a comunidade tá querendo levar coisas boas para o desenvolvimento. Uma coisa boa que tá atingindo toda comunidade. É uma alegria saber que os nossos jovens, vão se envolver em algo positivo, que traga benefícios também no futuro, pode assumir hoje o espaço dessa rádio e quem sabe amanhã ocupar outros espaços, tem sua comunidade como base", completou Samuel Matos, pai e representante da igreja Católica. 

"Uma maravilha para nossa comunidade e nós vamos estar abraçando essa rádio, vamos está ajudando no que for preciso para que ela não se acabe com o tempo, mas que continue em
benefícios da nossa comunidade”, disse Alaine Silva Presidente da Associação Comunitária.

E ao perguntar o que as crianças e adolescentes, da comunidade esperam desse projeto e quais os benefícios da rádio, as respostas soam positivamente, com tamanha ansiedade e vontade de novas descobertas. “Vai ser muito bom!”. “Acho que a gente vai gostar demais”. “Vamos ter mais ocupação”. “E vai dá para aprender muita coisa diferente”. Entre mais falas de entusiasmos para as futuras atividades do projeto. 

Em suma, esse processo de educação do campo contextualizada na junção com a comunicação como direito, a exemplo da rádio poste, vem estimulando a criatividade, a convivência da comunidade com sua realidade de produzir e não somente receber a comunicação como direito humano, pois sendo ela um direito humano, que o MOC segue a metodologia da educomunicação para além de comunicar, mas também produzir, pois essa é forma de promover comunicação respeitosa.





Por: Robervânia Cunha
Programa de Comunicação do MOC - PCOM