Formação Étnica e Cultural do Povo Brasileiro foi tema de estudo para membros da equipe MOC em Feira de Santana

Formação Étnica e Cultural do Povo Brasileiro foi tema de estudo para membros da equipe MOC em Feira de Santana

09/05/2018

#MOC_PorumSertaoJusto

A militância do Movimento de Organização Comunitária (MOC) busca constantemente beber de novas fontes para aprofundar seus conhecimentos, com intuito de fortalecer a luta diária e recarregar as forças e energias na resistência e insistência das transformações necessárias para o alcance de um mundo mais justo, democrático e popular. Por isso, membros da equipe MOC participaram entre os dias 04 e 06 de maio, do segundo módulo do II Curso de Realidade Brasileira do Recôncavo da Bahia (CRB), em Feira de Santana, se debruçando na temática: Formação Étnica e Cultural do Povo Brasileiro, seguindo autores de referências nesse contexto, sendo o principal deles Darcy Ribeiro e sua obra maior “O povo brasileiro”, contando com a assessoria de Thays Carvalho, advogada, educadora popular e militante do Levante Popular da Juventude.

"As nossas histórias constituem a história do país", relatou Thays Carvalho nos primeiros momentos de estudo, seguindo por um apanhando de questões que faz refletir sobre o que as histórias de livros didáticos ensinam sobre a formação do povo brasileiro, como algo que parece ser longe do real, contrapondo com as ideias de Darcy Ribeiro que durante muitos anos, se dedicou a vivenciar as experiências das matrizes que com elementos característicos foram construindo a identidade brasileira, que mesmo se dividindo em classes sociais se identifica em seguimentos que foi contribuindo nessa construção, como as matrizes: indígena, africana e lusa (portuguesa).

Segundo Darcy Ribeiro estamos nos construindo na luta para florescer amanhã como uma nova civilização, mestiça e tropical, mas orgulhosa de si. É nesse sentido que se busca uma revolução do povo, para que as desigualdade sociais, as exclusões, marginalizações e injustiças, que caminham historicamente até os dias de hoje transformem a realidade, com um projeto político democrático e do povo.

“O MOC nasceu de um movimento de resistência com a crença que a gente não precisa mudar de lugar, mas precisa mudar o lugar onde vivemos para melhor viver nele”, frisou Vandalva Oliveira (Coordenadora Pedagógica do MOC), por isso a instituição que tem mais de 50 anos de caminhada, participa da construção do II CRB junto a outros movimentos e organizações populares, como também estudantes e demais militantes, para construir processos de formação política das lideranças que labutam em ações e trabalhos para as mudanças necessárias nesse mundo (um outro mundo é possivel), bem como para fomentar a prática de incidência sociopolítica, o engajamento dos lutadores e lutadoras num contexto desfavorável às conquistas sociais e de ameaça à democracia, na perspectiva de elevação do nível sócio cultural e intelectual de liderança, que constituem um Sertão Justo, bem como a oportunidade de compartilhar e socializar conhecimentos e experiências com outras organizações sociais, que teimosamente insiste na defesa da democracia e dos direitos humanos.

"É preciso fazer as revoluções necessárias, para que as transformações aconteçam, nesse sentido acho que Paulo Freire tem muito a nos ensinar com seus pensamentos", enfatizou Vandalva Oliveira. A técnica do MOC Tainá Lima completou. "A cada dia vai se encaixando a realidade brasileira, a importância de conhece-lá para desconstruir e construir uma nova concepção, com bases nesses conhecimentos".

Assim, o II CRB vem proporcionando, uma renovação na construção de ideias e estratégias para seguir na militância em busca do "Congresso do Povo", recarregando as energias e a esperança do povo nessa luta.



Por: Robervânia Cunha

Programa de Comunicação do MOC - PCOM